29 agosto 2013

FanFic: Sempre Esperarei por Ti - Capítulo 2

Sempre Esperarei Por Ti

Autora(o): Paula Halle
Gênero: Romance, Comédia, Fantasia, Hentai, Universo Alternativo
Censura: +18
Categorias: Saga Crepúsculo
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

**Atenção: Esta história foi classificada como imprópria 
para menores de 18 anos.**

Capítulo 2 - Mas que diabos? O que faço agora?

– Ela é a moça da lenda não é?
– Claro que não Jasper, chega dessas tolices. – ele riu e assentiu.
– Claro, mas sabe Edward, o nome do marido da jovem que vive na cabana de acordo com a lenda era Anthony.

– O que? – gaguejei, o que o fez rir mais.
– Sim meu amigo, o filho do primeiro duque, se chamava Anthony.
– Isso é loucura Jasper.
– Bem seja o que for, ela está ai para provar.
– Ela não passa de uma mulher louca.
– Então chamaremos um medico e a internaremos em um hospício.
– Só sobre o meu cadáver. – rosnei já imaginando formas de protegê-la, Jasper arqueou uma sobrancelha. Grunhi eu e minha boca.
Diabos!
– Entendi. – ele sorriu abertamente, com certeza me pegando na minha mentira, afinal essa moça me interessava mais do que gostaria de demonstrar, pensei em chamá-lo novamente para convencê-lo de que ela não era moça da lenda, mas como convencê-lo de algo que nem eu mesmo tenho certeza?

Ele chamou os rapazes para o seguirem, assim que sumiram respirei aliviado. Jasper podia ser um parvo às vezes, mas ele era muito mais observador do que lhe davam credito.
Voltei-me para a cabana temendo um pouco do que encontraria quando entrasse. Bella estavam me deixando louco, suas atenções me deixavam em chamas, mas sua insistência em me confundir com outro homem estava acabando com meu juízo.

Respirei fundo mais uma vez e entrei na cabana, como tudo que envolvia essa mulher desde que cheguei aqui e sua casa não era diferente. Apesar de ela viver no meio do mato, seus poucos móveis estavam bem conservados, e sua cabana pequena era quente e aconchegante. Havia uma cama de casal modesta, além de uma grande poltrona próxima à janela, ela tinha também um grande baú aos pés da cama, que imagino é onde ficavam suas roupas. Perto da lareira uma bacia com alguns pratos e copos, havia também uma tina bem grande atrás de um biombo já meio velho e puído pelo tempo.
Encontrei Bella ajoelhada perto da pequena lareira, mexendo em um caldeirão que borbulhava com algo que cheirava muito bem, fechei a porta entrando mais na pequena cabana, chamando assim a atenção dela, que sorriu abertamente a me ver.

– Você está aqui. – se levantou secando as mãos em um avental amarrado a sua cintura.
– Eu não vou a lugar nenhum. – ela sorriu mais ainda se isso fosse possível, vindo até mim, agarrou minha mão me puxando até a grande poltrona que ficava ao lado da janela.
Ela me empurrou para que sentasse, sentando em meu colo, seus braços rodearam meu pescoço sua cabeça pousando em meu ombro, passando meus braços em volta da sua pequena cintura a puxei para mais perto de mim, antes que pudesse me parar.
– Estou tão feliz que está aqui, Anthony. – suspirei exasperado, mas não disse nada, eventualmente ela esqueceria esse Anthony e aceitaria que eu sou Edward.
– Estou feliz de estar com você também Bella. – ela enterrou o rosto em meu pescoço e fungou, meu coração se apertou ao ouvir seu choro.
– Eu sabia, sabia que voltaria. – choramingou agarrando minha camisa como se tivesse medo que eu desaparecesse a qualquer momento.
Apertei mais meu domínio sobre ela, a enterrando contra mim até estarmos fundidos, beijei seus cabelos cheirosos com um suspiro de contentamento.
– Shiii, não chores meu pequeno rouxinol. – as palavras saíram antes que pudessem detê-las, como se eu tivesse que falá-las.

Bella levantou o rosto do meu peito, seus bonitos olhos azuis vermelhos da sua tristeza, mas havia algo mais, um pouco de esperança, um sorriso doce cresceu em seus lábios, e me vi sorrindo quando ela tocou o meu rosto gentilmente.
– Você lembrou?
– O que?
– Meu pequeno rouxinol. – repetiu minhas ultimas palavras, a confusão estampada em minha cara era obvio que eu não fazia ideia do que ela falava.
– Não compreendo Bella. – ela fungou.
– Anthony me chamava assim, quando eu ficava triste ele sempre dizia. Calma meu pequeno rouxinol, tudo ficará bem.
– Oh.... – não sabia o que dizer, não sabia nem de onde vieram essas palavras. Ela assentiu tristemente voltando a deitar a cabeça em meu peito.
Não sabia se esse Anthony existiu ou não, mas inferno a cada minuto que tenho Bella em meus braços, eu começo a desejar que eu fosse Anthony, somente para ter o seu afeto.

Ficamos em silêncio, pelo que pareceu horas, mas devem ter sido somente alguns minutos, algo estalou na lareira fazendo Bella levantar o rosto de meu peito, a ouvi suspirando e saindo do meu abraço pra ir até a panela fervendo.
Vi ela se ajoelhar diante do fogo remexendo lentamente o que quer que fosse que ela cozinhava, seu silêncio estava começando a me incomodar, e estava pronto para dizer algo, quando ela finalmente falou.

– Está com fome? Fiz o seu favorito.
– Meu favorito?
– Sim, sopa de legumes.
– Eu... – diabos, era realmente meu favorito, era possível que esse tal Anthony tivesse os mesmos gostos que eu?
Olhei para a linda Bella me olhando esperançosa e sorri como um idiota. Sim tínhamos o mesmo gosto para algumas coisas.
– Estou faminto na verdade, não como desde o café. – ela me olhou com uma carranca, com certeza reprovando minha falta de alimentação.
– Por isso está tão magro, precisa se alimentar melhor. – ri me levantando, enquanto ela servia uma grande generosidade de sopa em uma tigela, olhei em volta de sua casa.

Parei ao lado do biombo olhando para a grande tina, havia um pequeno balde ao lado que imagino que ela usava para pegar água do rio e trazer até a cabana, não sabia o quão distante seria esse rio, mas com certeza seria um trabalho extremamente cansativo. Em Masen Hill, ainda não havia encanamentos para que tivéssemos banheiros, precisava de pelo menos três homens para trazer água para um simples banho, voltei a olhar Bella, ela era frágil demais para fazer esse trabalho.

– Você toma banho aqui? – me vi perguntando, ela me olhou e em seguida a tina e negou.
– Eu gostaria de um banho quente principalmente no inverno, mas não existia uma maneira que conseguisse enchê-la completamente. Não sozinha, é extremamente cansativo.
– Onde toma banho?
– No rio.
– Bella e se alguém a visse?
– Ninguém vem aqui há anos. – deu de ombros e a olhei atentamente, ela fisicamente não parecia ter mais de 20, talvez até menos.
– Quantos anos tem Bella? – ela riu, levantou com a tigela de sopa vindo até ele.
– Oras, vinte e um!
– Mas... – antes que pudesse falar ela me entregou a tigela.
– Coma enquanto está quente. – ela sorriu, sorri de volta indo até a poltrona.

Me sentei enquanto olhava minha sopa, o cheiro estava ótimo, mexi um pouco com a colher e em seguida levei uma boa porção a boca, gemendo de prazer quando senti o gosto. Olhei para Bella que me encarava alegremente.
– Está bom?
– Delicioso. – levei outra colherada a boca, murmurando de contentamento, Bella riu e pegou uma porção para ela e se juntou a mim.
Ela sentou em minha coxa e sorriu enquanto levava uma colherada a boca. Limpei meu prato rapidamente e agradeci pela excelente sopa.
– Estava realmente delicioso Bella.
– Sabia que iria gostar, colhi os legumes hoje cedo, e deixei-os cozinharem bem... – ela começou a explicar quando a interrompi.
– Espere, espere. Como sabia que eu chegaria hoje?
– Não sabia.
– Mas disse que fez meu favorito, e colheu os legumes logo cedo. Só me viu está tarde.
– Oh, eu cozinho seu favorito todos os dias.
– Todos os dias?
– Bem, exceto algumas vezes em que faço o meu favorito, pois estou zangada com você. – ri.
– E quando se zanga comigo?
– Quando parece que nunca vai voltar.
– Bella... – comecei, mas ela interrompeu se levantando e pegando a tigela de minha mão.
– Ainda está com fome? Quer que eu pegue mais... – ela foi em direção da lareira, mas a peguei antes que pegasse mais sopa.
– Não, estou satisfeito. Eu gostaria de falar com você agora Bella.
– Quer falar? Sobre o que?
– Sobre você ficar sozinha nessa cabana.
– Oh isso. Não estou mais sozinha, você está comigo Anthony.
– Diabos! Não sou esse Anthony Bella, sou Edward.
– Mas... – ela fungou, seu lábio inferior aparecendo, formando um beicinho adorável que eu gostaria de morder.

Esfreguei o rosto afastando as fantasias que Bella me provocava, esse não era o momento. Peguei sua mão a levando para a cama, me sentei na beirada e a puxei para sentar-se de frente para mim.

– Escute Bella, eu não quero lhe magoar, mas não sou seu Anthony, sou Edward, filho de Carlisle Cullen, segundo conde de Weston. Meu bisavô Robert Cullen é o 3º duque de Masen, ele passou o titulo para mim. Eu não sei quem é seu Anthony, mas não sou eu.
– É você sim, você só esqueceu. – ela sussurrou e bufei.
– Por que Bella? Por que acredita que sou ele? – ela sorriu.
– Pela sua aparência, seus olhos, seu coração, eu sei que é você.
Queria gritar com ela, dizer para parar de tolices, pois não sou esse Anthony, mas só pude sorrir para ela, ela sorriu de volta, tocando meu rosto, sua mão desceu pousando em meu peito.
– Era só isso que queria me falar?
– Não, eu preciso.... eu quero que venha a Masen Hill comigo, não posso permitir que fique sozinha na floresta. – ela sorriu abertamente.
– Irei aonde quiser que eu vá, Anthony.
– Bella, por favor.
– Desculpe, Edward. Mas tem certeza que o duque não se zangará? Não quero perdê-lo novamente.
– Eu sou o único duque vivendo em Masen Hill Bella, eu lhe juro. – ela assentiu.
– Está bem. Eu irei.
– Bom, agora uma ultima questão?
– Qual?
– Onde irei dormir? – ela riu alegremente.
– Oras comigo.

Olhei sobre meu ombro para a minúscula cama, nunca que eu ficaria na cama sem agarrá-la.
– Melhor dormir no chão.
– Mas por quê?
– Bella, não é certo, não tirarei sua virtude. – ela corou um pouco quando sorriu.
– Ant... – começou, mas se apressou em corrigir, o que fui muito grato. – Edward somos casados.
– Como?
– Nos casamos antes de vir morar aqui, foi por isso que seu pai se revoltou, lhe deserdando.
Diabos! Ela me chamava de Edward, mas ainda agia como se eu fosse seu Anthony, o que eu vou fazer?
– Bella não posso me deitar com você. – um flash de dor passou pelos seus olhos, quando me encarou.
– Não... não me deseja mais?
– O que? – ela ofegou.
– Foi por isso que voltou. Veio me dizer que não me quer mais, conheceu alguém enquanto estava longe. Sim é isso, por isso nunca voltou...
– Não, não. Diabos! Lógico que a desejo.
– Não minta para mim Anthony, nunca suportaria se o fizesse. – me apressei em abraçá-la a apertando contra meu peito.
– Não diga tolices Bella, lógico que a desejo, mas não sou seu Anthony, não posso me deitar contigo. – ela suspirou me empurrando para que pudesse me olhar.
– Antho... Edward, você pode não lembrar, mas eu sei que é você. Não me rechace, não poderei sobreviver com o seu desprezo.
– Mulher, eu nunca a desprezaria. – ela sorriu um pouquinho assentindo.
– Você promete?
– Por Deus sim! – era fácil notar o alivio em seu rosto, e meu ódio por esse Anthony, por deixar essa jovem sozinha.
– Bom, eu vou me preparar para dormir. – ela me deu um abraço rápido se afastando em seguida, caminhando para o biombo.

Podia ver através das sombras que ela se despia. Inferno como passaria por essa noite sem tocá-la? Me apressei em virar o rosto. Tudo que eu precisava agora era passar a noite duro como uma rocha.
Vendo que não teria outra solução, retirei minhas botas e calça, ficando com a roupa de baixo, hesitei decidindo se devia tirar a camisa. Mas se não tirasse podia ferir os sentimentos de Bella, e se fizesse isso nunca me perdoaria.
Diabos! Eu sabia que a machucaria eventualmente, afinal eu não era seu Anthony e um dia ela veria isso. Meu único consolo é que eu havia dito a verdade desde o começo, nunca a enganei fingindo ser quem não sou.

– Ant... Edward, não vai tirar a camisa? – a voz de Bella me tirou dos meus devaneios e engasguei ao ver suas roupas ou melhor, a falta delas.

Ela usava somente uma camisa de homem, suas pernas longas e bem torneadas estavam nuas para quem quisesse ver, além disso a camiseta era branca e desgastada, ela estava praticamente transparente no corpo dela. Desviei meus olhos para seu rosto, seu sorriso alegre e bochechas coradas, eram a prova de que ela me pegou desejando seu corpo.

– O que? – gaguejei, tentando me concentrar em algo que não fosse a ereção apertando em minha roupa intima.
– Sua camisa, não vai tirar?
– Sim, sim, eu vou. – mas não me movi, tentava pensar em algo que abaixasse o meu pau, mas só conseguia olhar para ela e imaginar que a jogaria na cama e faria amor com ela, até ambos estarmos ofegantes e suados.
– Deixe que eu ajudo. – ouvi sua risadinha, e antes que eu pudesse entender o que acontecia, Bella estava muito perto, suas mãozinhas trabalhando ansiosamente, para desfazer os botões da minha camisa.
– Bella... – ela me ignorou enquanto terminava de me despir, quando acabou, empurrou a camisa por meus ombros e ela caiu no chão silenciosamente, engoli em seco, Bella ficou encarando meu peito por alguns segundos, minha respiração falhou, quando suas mãos espalmaram em meu peito.
– Você não mudou nada. – ela sussurrou me encarando em seguida, contive o gemido ao ver seus lindos olhos azuis brilhando com luxúria, ela lambeu os lábios sorrindo maliciosamente em seguida.

Não conseguia falar nada encarando essa linda mulher, que só me fazia cada vez mais excitado e sedento por ela. Bella encostou a cabeça e meu peito suspirando fortemente, segurei seus ombros, na intenção de afastá-la, mas assim que minha mão encostou-se a ela, eu perdi completamente a razão. E não ajudava em nada que Bella começou a dar pequenos beijos em meu peito, roçando seus lábios em meus mamilos.
– Bella... – ofeguei quando ela mordiscou chupando em seguida um mamilo, ela me olhou sem tirar a boca do meu peito, e foi praticamente impossível conter um gemido.
– Eu senti falta de te tocar, de te beijar. – ela sussurrou contra minha pele, esfregando o rosto em meu peito, minhas mãos deslizaram por seus braços, subindo e descendo, chegando até sua cintura.

Eu sabia que não deveria fazer isso, eu tenho que parar, não posso fazer isso, eu devo... todo pensamento coerente foi pela janela. Bella meteu a mão dentro de minhas calças e sorriu abertamente.

– Já está pronto pra mim.
– Mas que Diabos. – gemi e antes que algo pudesse me parar eu estava a beijando, seus lábios macios se moldando aos meus, levei uma mão a sua nuca inclinando sua cabeça, para que pudesse aprofundar o beijo.
Bella gemeu contra meus lábios, entreabrindo os seus, me dando passagem para que eu pudesse provar seu sabor. Minha língua deslizou em sua boca, e gemi sentindo seu gosto, doce e quente, se eram possível sentir isso em um beijo?

Quando afastamos os lábios para respirar, empurrei seu corpo para a cama, Bella riu quando caiu, sorrindo empurrei minha roupa intima liberando meu pau muito duro, Bella já abria os botões da sua camisa, e se possível fiquei mais duro ainda ao ver seus lindos seios nus, sua boceta coberta de cachos castanhos brilhando com os sucos da sua excitação.
Massageei meu pau que já pingava de prazer, e a vi gemendo, esfregando as coxas em busca de atrito. Subi na cama, ficando de joelho entre as pernas dela, as afastei passando minhas mãos no interior das suas coxas, me deleitando com os seus gemidos de prazer.

– Oh.... não pare.... – ela suspirou, e sorrindo esfreguei seu clitóris, vendo Bella arquear seu corpo quase completamente.
Seu botão estava inchado e sensível, me abaixei encarando sua bonita boceta e soprei vendo ela se contorcer, beijei suas coxas, dando lambidas, sentindo o delicioso sabor da sua pele, o cheiro da sua excitação me fazia cada vez mais duro.
– Oh meu... – ela arfou agarrando meus cabelos, grunhi não aguentando mais provocá-la, e cobri seu sexo com minha boca, Bella gritou e começou a puxar meu cabelo.
– Ant... Edward oh que... – ela guinchou quando chupei seu clitóris, os puxões em meu cabelo ficaram mais fortes, tirei o rosto da sua boceta e a encarei.
– O que houve?
– O que... o que faz ai? – ri da sua expressão chocada, suas bochechas extremamente coradas.
– O que há Bella? Seu amado Anthony nunca a beijou aqui? – para mostrar passei a ponta dos dedos em sua boceta, Bella gemeu alto e sorri abertamente, lambi meus lábios voltando a me aproximar do seu sexo.
– Confie em minha Bella, eu nunca a machucaria, só quero lhe dar prazer. – ela hesitou por um momento, mas assentiu.

Sorrindo voltei a colocar o rosto no paraíso, passando a língua por toda sua boceta, Bella gritou novamente voltando a agarrar meu cabelo, mas dessa vez, mesmo ela puxando forte, continuei explorando sua boceta, lambendo e chupando, mordisquei seu clitóris inchado, deslizando dois dedos dentro dela.
Gemi quando meus dedos entraram em seu calor, ela estava incrivelmente apertada, como uma virgem. Movi meus dedos lentamente para que ela se acostumasse, e logo ela foi ficando cada vez mais molhada, e os movi mais rápido os girando dentro dela.

– Oh meu... – guinchou quando curvei os dedos dentro dela.
Retirei os dedos voltando a chupá-la, Bella se contorcia gemendo sem parar. As mãos agarrando meu cabelo cada vez mais forte, em breve estaria careca.
Já podia ver seu corpo tremulo, e a respiração ofegante, voltei a penetrá-la com meus dedos, três dessa vez, alargando sua boceta apertada para acomodar meu pau, ela gemeu cada vez mais alto, arqueando seu corpo quando seu orgasmo a atingiu. Seu corpo trêmulo caiu sobre a cama enquanto ela respirava com dificuldade.

Me ajoelhei entre suas pernas, passando as mãos por seu corpo, Bella abriu os olhos, me olhando ofegante.

– Tudo bem? – ela assentiu sorrindo preguiçosamente.
– Estou perfeitamente bem. – ela abriu os braços, e sorri me deitando sobre ela, seus braços envolveram meu pescoço, assim como suas pernas.
Beijei seu rosto, bochechas, nariz, lábios, até chegar ao pescoço, onde mordisquei a pele dali, Bella riu baixinho.
– Eu te amo. – sussurrou e a encarei em choque.

Mas que diabos? O que faço agora?


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...