21 setembro 2013

FanFic: Destinados Ao Amor - Capítulo 3

Destinados Ao Amor

Autora(o): Paula Halle
Gênero: Romance, Comédia, Fantasia, Hentai, Universo Alternativo
Censura: +18
Categorias: Saga Crepúsculo
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

**Atenção: Esta história foi classificada como imprópria 
para menores de 18 anos.**

Capítulo  3. Era isso, eu amo Rosalie Hale. 


Reli suas palavras mais algumas vezes sorrindo e suspirando com a emoção que era fácil sentir através de cada letra que ele derramou no papel, deixei a carta de lado e peguei papel e caneta e comecei a escrever. Escrevi tudo que sentia, toda a verdade, tudo o que importava, quem eu sou, como eu sou, e meu desejo de fazer parte da sua vida.

Eu sinto, sinto tanto por tentar enganá-lo, era a ultima coisa que queria. Mas eu sem querer li sua carta. Ok não foi sem querer, eu estava bêbada e a curiosidade foi maior. Não que isso seja frequente, eu beber sabe, curiosa eu sou a maior parte do tempo. Mas bêbada não.

Merda estou falando demais, quem achava que se podia fazer isso em cartas também. Mas pelo jeito pode.

Enfim, eu bebi por que estava comemorando, eu acabei de comprar esse apartamento incrível e eu estou tão feliz, é meu primeiro apartamento só meu. Sabe o meu lugar, meu cantinho onde posso ficar e não ter mais que me mudar. Por que acredite, eu já mudei muito. Era como um nômade, mas esses dias acabaram, e agora eu tenho meu lugar.

Olha eu divagando de novo.
Mas essa sou eu de verdade. Eu falo muito, eu sou curiosa e bebo quando quero comemorar, mas essa não é a questão. A questão é por que eu tenho sua carta né, por que eu li e por que eu a respondi.
Eu posso responder todas as perguntas, não sei se elas vão te agradas, as minhas respostas, mas ai vai.

Tenho sua carta por que meu apartamento novo é o de Ângela, ela se mudou as pressas e eu comprei. Li sua carta por que a curiosidade foi imensa, mas em minha defesa eu tentei contatar Ângela para mandar a carta pra ela, mas ela não deixou endereço e eu não a conhecia até o dia que vim ver o apartamento. E por fim por que eu respondi, eu não acho que seria pena. Acho que foi mais uma necessidade, eu senti que você precisava de uma resposta. Minha ou de Ângela, de qualquer um, você merecia uma resposta, então eu dei uma.

Não gostei do fato de que eu não era eu mesma, sabe tinha que fingir ser a Ângela, mas agora eu posso ser eu. Essa sou eu Isabella Swan. Mas meus amigos me chamam de Bella. Você vai ser meu amigo?
Sinceramente espero que sim, espero que me mande cartas, que me chame de Bella, que minhas cartas de deem esperanças e algum consolo, mas já que vamos ser amigos, me diga seu nome.
A curiosidade está me matando.

E. A. Masen?
Seria Edmund? Edgar? Edmilton? Edward?
E o A? Poderia ser Ângelo, Arthur, Augusto, Anderson?
Me diga seu nome, eu também preciso de um nome para que eu possa lhe dar um quando escrever a próxima carta. Por que eu vou se você quiser.

Atenciosamente Bella Swan.

Está bom, sorri para mim mesma relendo minhas palavras e verificando erros ortográficos, sim como uma estudante de literatura inglesa, eu era uma paranoica com erros de inglês. Mas estava tudo certo e eu esperava que recebesse uma resposta dele, e com sorte com o seu nome na próxima.

Eu estava realmente ansiosa para saber seu nome, queria muito conhecer mais desse soldado, quem sabe saber mais sobre ele, sua família, seus motivos para ir para tão longe lutar pelo seu país, era uma atitude nobre, mas realmente estava curiosa sobre isso. Gostaria de saber sua idade também, será que ele era jovem, velho, meio termo? Tem uma esposa... não ele ficou com Ângela, ele não é o tipo de homem que ficaria com outra mulher se fosse casado, ele pode ser divorciado, talvez tenha uns 30 ou 40, eu não sei se Ângela curtia caras mais velhos. Talvez esse soldado seja um senhor que adora uma ninfeta, ri alto. Não eu só sabia que ele não era assim, seja qual for sua idade ele era um homem bom e honesto, eu só sabia disso.

Meu estomago roncou e me apressei em guardar a carta em um envelope e colocar os endereços, compraria selos amanhã no correio, guardei meus livros também, e fui a cozinha procurar algo para comer, estava faminta.

Fiz um sanduiche, peguei uma lata de refrigerante e me instalei no sofá comendo enquanto assisti Big Bang Theory, ri enquanto Sheldon era completamente louco e fofo, e minha mente voltou ao meu soldado. Ele seria um nerd? Não ele nunca estaria na guerra se fosse, mas ele com certeza era inteligente, ele seria bonito? Alto, magro, teria barba, que cor seriam seus olhos? Milhões de perguntas começaram a rolar em minha mente imaginando como ele seria, será que ele me enviaria uma foto, ou se descreveria para mim?

Ainda com esses pensamentos terminei de comer e fui lavar meu prato, depois escovei os dentes e me preparei para dormir. Ainda sonhando com meu soldado, e no que estaria em sua próxima carta, esperava que ele gostasse da minha, e me respondesse qual seu nome.

[...]

– Me conte tudo. – exige assim que Rosie se sentou na cadeira ao meu lado na cafeteria da faculdade, ela tinha um sorriso bobo, e podia jurar que seus olhos brilhavam.
– O que quer saber?
– Tudo, menos os detalhes sexuais, eu trabalho com Emmett, e não preciso saber o tamanho do pau dele.
– Bella! – ela guinchou me dando um tapa, mas riu em seguida.
– O que? Está na sua cara que você viu. – movi as sobrancelhas sugestivamente e ela corou.
– Eu não vi ta.
– Não? – ela pigarreou.
– Não, mas senti.
– Sua vadia. – sussurrei e ela gargalhou.
– Deus! Eu nunca imaginei que transaria seco com um cara na minha idade, mas foi bom.
– Não acredito que fez isso.
– Sim e no banco de trás do carro dele.
– Por que não foram para a casa dele? – sim por que Rosie morava nos dormitórios da sua fraternidade, e rapazes não eram permitidos. Eu havia convidado ela para morar comigo, mas ela gostava da bagunça das garotas, ela deixou de participar no seu primeiro ano, por que eu não queria ser uma garota de fraternidade e ela era minha colega de dormitório.
– Ele disse que queria que as coisas fossem devagar.
– E se esfregar em você até gozar é ir super de vagar. – ela bufou.
– Não era para fazermos isso, nós só queríamos ficar conversando um pouco no carro antes de eu entrar, e uma coisa levou a outra e quando vi suas mãos estavam em meus peitos, e eu estava me esfregando nele como se minha vida dependesse disso. – sorri.
– Bom, pelo menos agora você não vai ter um ataque sempre que o encontrar.
– Eu espero que sim. – ela suspirou. – Não seria nada legal, eu corar e gaguejar na nossa primeira vez sem roupas.
– Com certeza. E como foi o encontro?
– Eu estava um pouco nervosa, mas ele me ajudou a relaxar e foi muito doce.
– Isso é bom.
– E você o que fez? – dei de ombros.
– Nada demais, estudei, assisti series na TV, respondi a carta do soldado... – ela deu um gritinho fazendo varias pessoas nos olharem.

– Oh meu Deus, ele respondeu?
– Sim.
– E acreditou que você é Ângela? Vai continuar fingindo ser ela?
– Não.
– Não?
– Ele soube Rosie, assim que ele leu ele soube que eu não era Ângela.
– Merda!
– Sim, ela nunca respondeu a uma carta dele.
– Aquela vadia.
– Sim, ela era. Mas ambos tinham um tipo de acordo, ele só queria escrever pra alguém sabe, e ela permitiu que ele escrevesse pra ela, mas parece que nunca teve a intenção de responder, embora ele esperava que um dia ela fizesse.
– Pobrezinho. Então vocês vão começar a se corresponder agora?
– Eu espero que sim. Eu já enviei uma carta dizendo sobre mim e os motivos de eu ter mandado a primeira carta, espero que ele entenda que não fiz por mal e me mande mais cartas.
– Ele vai. – ela pegou minha mão e sorri.
– Cruzando os dedos. – cruzei meus dedos com minha mão livre e ela riu.
– Não esqueça dos dedos do pé.
– Pode deixar. – rimos e começamos a comer, eu ainda tinha mais uma aula, antes de ir trabalhar no café, infelizmente Rosie tinha aulas até tarde hoje.
– Hey posso passar no seu apartamento depois das minhas aulas?
– Claro, quer passar a noite?
– Seria bom. Hey eu poderia ler a carta do seu soldado?
– Ele não é meu. E sim você pode.
– Bem que você gostaria que ele fosse. Eu posso ler a carta está noite.
– Rosie eu nem sei como ele é. E se ele for velho, ou muito jovem, eu não sei... enfim você pode ler a carta agora se quiser, eu a tenho comigo. – ela arqueou uma sobrancelha.
– Mantém a carta com você?
– Há é... hmmm, para o caso de eu querer reler. – dei de ombros e ela suspirou.
– Só tome cuidado Bella.
– Com o que?
– Não vá se apaixonar por esse cara.
– Rosie, não seja absurda eu nem o conheço, nem seu nome eu sei.
– Isso nunca impediu ninguém. Só tome cuidado, lembre-se que ele está longe e só Deus sabe por quanto tempo.
– Vai ficar tudo bem Rosie.
– O que vai ficar bem? – nos viramos dando de cara com Jasper, forcei um sorriso e sem mesmo olhar sabia que Rosie sorria maliciosamente.

– Hey Jasper.
– Oi Bella, está tudo bem?
– Sim, sim. E você?
– Tudo bem. – ele cumprimentou Rosie, e se sentou na cadeira em frente a minha e forcei um sorriso, Rosie pigarreou chamando minha atenção.
– Posso ler a carta?
– Agora?
– Sim. – grunhi e cavei em minha mochila pegando a carta que coloquei dentro de um dos meus livros, estendi pra ela quando achei e ela puxou das minhas mãos rapidamente, enquanto ela se concentrava na carta fui forçada a falar com Jasper.

Não que ele fosse ruim, mas ele tinha uma quedinha de nada por mim, mas eu não conseguia retornar seus sentimentos. Eu já havia tentado, mas não conseguia sentir atração por ele, não que ele fosse feio, ele só é um pouco desleixado, com seu cabelo cacheado cor mel um pouco cumprido batia até sua bochecha, ele era alto e magro, usando sempre camisetas largas e calça jeans surrada, tinha bonitos olhos azuis, mas os escondia por seus óculos enormes.

– Então, como vão as coisas?
– Tudo bem, você?
– Bem também. – ficamos nos olhando e podia ver pelo canto do olho que Rosie estava nos olhando, contive a vontade de chutar sua canela, e forcei um sorriso para Jasper.
– Hmmm, sabe vai ter uma festa no café de Emmett daqui há algumas semanas, e parece que vai ser muito legal. – murmurou tamborilando os dedos na mesa, mordi o lábio para não rir.
– Eu trabalho no café de Emmett, Jasper. – ele corou um pouco.
– Ah é, me esqueci disso. Enfim, você não gostaria de ir comigo? – olhei em pânico para Rosie que fingiu estar lendo, a infeliz, me voltei para Jasper que esperava ansiosamente minha resposta.
– Er... obrigada por pensar em mim Jasper, mas... bem...
– Você não precisa dizer nada, não quer sair comigo. – resmungou e meu coração se apertou, Jasper era um cara ótimo, mas não era meu tipo. Olhei para Rosie em busca de ajuda, mas ela novamente fingiu estar concentrada na leitura. Vaca.
– Não é isso. É que eu estou vendo alguém. – mordi a língua assim que a mentira escapuliu dos meus lábios, merda de onde veio isso? Ele arregalou os olhos um pouco surpreso, e pelo jeito não era o único.
– Desde quando? – Rosie guinchou, agora ela se intrometia na conversa né.
– Só tem algumas semanas, mas ele mora longe.
– Ah é um relacionamento a distancia? – ele parecia um pouco esperançoso, o que não era nada bom.
– Sim, mas estamos muito comprometidos um com o outro. – me apressei em dizer. Antes que ele começasse a ter ideias.
– Sério? – Rosie arqueou uma sobrancelha, e contive a vontade de chutá-la de novo.
– Sim sério. Muito sério.
– Ah isso é legal.
– E não é.
– Rosalie! – grunhi e ela sorriu, mas se calou fingindo voltar a ler, me voltei para Jasper.- Então é isso. Não posso ir com você.
– Oh ok. Sem problemas, mas você ainda vai a festa?
– Sim, acho que vou ajudar Emmett.
– Legal nos vemos lá. – sorriu ficando de pé e saindo antes que eu dissesse algo. Merda.
Me voltei para Rosie que ainda fingia ler e lhe dei um chute na canela, ela grunhiu me olhando feio.

– Hey!
– Caramba Rosie, dava pra ajudar? – ela teve a audácia de rir.
– Eu não queria atrapalhar.
– Há e ficar questionando meu namorado falso não atrapalhou né.
– Bem, eu só fiquei curiosa, pois até ontem, você não namorava ninguém, e de repente você tem um namorado de semanas e que mora longe... – ela parou de falar me olhando atentamente e grunhiu. – Porra você tava falando do soldado.
– Não tava não.
– Sim estava. Eu ouvi muito bem. Namoro de semanas, mora longe. Caramba Bella, eu sei que gostou do cara, mas você não sabe nada dele.
– Eu sei, eu só... Argh, eu só sinto que há algo especial. Isso é errado?
– Não, mas você precisa saber mais sobre ele antes de sair dizendo por ai que ele é seu namorado.
– Eu entendo. E eu só disse isso por que não sabia o que dizer a Jasper, e você não ajudou em nada.
– Desculpe, eu estava esperando que você aceitasse.
– Rosie você sabe que eu não me sinto assim com Jasper.
– Sim claro, mas talvez você devesse dar uma chance, em vez de ficar suspirando por soldados que podem ter o dobro, talvez até o triplo da nossa idade.
– Não acho que ele seja velho.
– E por que não?
– Bem, ele saiu com Ângela, e ela tem a nossa idade.
– Bom ponto. Mas talvez Ângela esteja interessada em caras mais velho.
– Já pensei nisso. Mas ainda acho que ele deve ter a nossa idade, talvez só um pouco mais velho. Perguntarei na próxima carta.
– Próxima?
– Bem, ele disse que queria ler mais cartas minhas. – murmurei olhando para a mesa, Rosie suspirou alto e pegou minha mão, a olhei de canto de olho.
– Então espero que ele seja tudo que você espera.
– Eu também. Mas não espero muito, é só, legal ter alguém com quem falar.
– Sei. Vou fingir que acredito.

– Que seja. Então você vai com Emmett a festa? – movi as sobrancelhas sugestivamente e ela bufou.
– Sei o que está tentando fazer Swan. Mas vou deixar você sair dessa, e é claro que vou.
– Ele já te convidou?
– Não.
– Mas...
– Bella, Bella, tem semanas até a festa, eu tenho certeza que ele ira me convidar em breve.
– Entendi Srta. Confiança. – olhei no meu celular grunhindo. – Tenho que ir trabalhar, ainda vai em casa mais tarde?
– Claro. Eu levo uma pizza.
– Ok. Até mais tarde. – dei um beijo em sua bochecha, antes de sair.

Durante todo o caminho até o café as palavras de Rosie martelavam em minha mente. Será que eu estava tendo sentimentos mais profundos pelo soldado. Isso não era bom, eu nem sabia seu nome ou como ele era. Mas eu ainda sentia vontade de ler mais cartas dele, de ler suas palavras, saber o que ele pensava, como era, tanto fisicamente quanto emocionalmente. Eu queria saber tudo sobre E. A. Masen. Ainda não sabia o que havia entre nós, talvez nada, talvez tudo, mas seja o que for, eu gostaria que continuasse.


**Algumas semanas depois...**


– Bells, você não tem que trabalhar na festa. – Emmett resmungou enquanto verificava o caixa, já havíamos encerrado para o dia.
– Por que não? Você contratou alguém?
– Exatamente, é seu dia de folga. Venha, dance com alguém, o leve para casa, mas use proteção, eu sou muito jovem pra ter uma funcionaria grávida.
– Você só fala besteira.
– O que? Você sabe o trabalho que da uma funcionaria grávida, licença maternidade, vou ter que contratar alguém pra te substituir, e quando você voltar vou ter que demitir esse alguém, e eu sou péssimo demitindo alguém. – rolei os olhos.
– É percebi como vai ser difícil pra você, uma gravidez acidental minha.
– Pois é. – dei um soco em seu braço o fazendo grunhir e fui pegar minha bolsa.
– Eu já vou.
– Vem amanhã?
– Não sei. Mas é possível, duvido que Rosie me deixe ficar em casa.
– Minha Rosie é bem insistente. – sorriu abertamente, me fazendo rir. Emmett e Rosie estavam namorando firme já há algumas semanas e eles eram realmente bonitos juntos.
– Sim ela é. – resmunguei, já imaginando ela me arrancando da cama, que era onde eu pretendia passar minha folga.

Não tinha aula amanhã, e Emmett iria fechar o café durante o dia pra arrumar tudo para a festa e teria o dia livre só pra vegetar na minha cama e sofá. Talvez uma maratona de Bones ou Big Bang Teory, ou friends. Enfim, um dia de preguiça, quem sabe se eu trancasse a porta e janelas, ela pensaria que eu não estou em casa.

– Pode tirar esses planos da mente, ela vai saber que está planejando algo.
– Claro que ela vai. – ele riu.
– Vá pra casa Swan, e nos vemos amanhã.
– Claro, claro. Até amanhã Emmett.
– Até Bells. – sai do café indo rapidamente para casa, ao chegar, fui direto para a caixa do correio, era praticamente meu ritual de cada dia, mas novamente nada. Quanto tempo levava pra chegar uma carta de lá pra cá. A ultima demorou duas semanas, será que as minhas demoravam mais, ou as dele demoravam mais, isso se ele fosse mandar mais cartas.
Desanimada subi as escadas até meu apartamento, para mais um dia ter sonhos com um soldado sem rosto e sem nome.

[...]

– O que acha desse Bella? – ela mostrou um bonito vestido vermelho e neguei.
– Acho muito exagerado. Sua calça está ótima, e você pode usar... – fui até a pilha de roupas que ela trouxe, procurando uma bonita blusa presta que havia visto há pouco. – Essa.
– Tem certeza?
– Sim, você vai ficar ótima.
– Ok, eu quero estar gostosa hoje,
– Você sempre está gostosa. – ela riu.
– É sério Bella, eu vou finalmente fazer Emmett um homem feliz.
– Você ainda não transou com ele? Ficam praticamente todas as noites juntos.
– Sim, mas ficamos conversando. Eu realmente gosto de Emmett, não quero ser só mais uma, quero ser a única.
– Owth isso é lindo Rosie. – ela vestiu a blusa e sentou ao meu lado.
– Eu acho que amo ele.
– Acha?
– Ta eu amo. E isso é muito assustador, nem com Royce eu me senti assim, e ele me magoou muito, e se Emmett fizer o mesmo?
– Ele não vai Rosie, Emmett gosta de você, ele fala de você o tempo todo, até te chama de minha Rosie.
– Oh sério?
– Sério. Agora para de frescura e da logo pro cara antes que ele tenha o pior caso de bolas azuis do século. – ela riu levantando e dei um tapa em sua bunda.
– Vai se arrumar Swan.
– Já to pronta. – ela arqueou uma sobrancelha ao olhar para minha calça jeans surrada e blusa verde e tênis.
– Não ta mal, mas um saltinho melhoraria muito.
– É e eu ter que ir pro hospital, por que tropiquei no salto e quebrei a perna não melhora nada. – resmunguei lembrando a ultima vez em que insisti com salto. Só pra saber, não acabou bem, e eu tenho cicatriz pra provar.
– É você ta certa. Então vamos.
– Ok. – peguei minhas chaves, celular e dinheiro e saímos, entreguei minhas coisas para Rosie por na sua bolsa, já que ela insistia em levar uma.

Saímos do apartamento e tranquei a porta, Rosie ia para o elevador, quando a parei.
– Eu não vou entrar ai.
– Bella, pare de ser covarde.
– Covarde nada, sou esperta. – ela foi para o elevador e fui para a escada.
Consegui chegar antes dela, com certeza o elevador tinha travado em algum andar, me sentei na escada e olhei em direção as caixas de correio. Hoje de manhã eu havia verificado e ainda não havia nenhuma carta do soldado, quem sabe...
Grunhindo me levantei indo até a caixa e abri, meu coração parou ao ver uma carta, a peguei rapidamente, sentindo meu coração voltar a bater, ele me respondeu.
Será que ele iria querer mais cartas de mim, ou era a ultima? Eu precisava saber, saber se ele havia entendido meus motivos para ter lido sua carta, e queria que eu continuasse escrevendo mais, ou estaria me pedindo para nunca mais escrever...

– Bella o que esta fazendo?
– Eu? – ela riu e se aproximou, mas parou ao ver a carta na minha mão.
– É dele?
– É.
– Oh meu Deus, e o que diz?
– Ainda não li, eu... – hesitei querendo ir pra casa em vez de a festa, queria ler as palavras do soldado. De repente Rosie riu.
– Eu vou dizer a Emmett que você não pode ir.


Era isso, eu amo Rosalie Hale.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...