20 novembro 2015

Novas fotos, vídeos e materia do Curta de Karl Lagerfeld sobre Chanel com Kristen Stewart

O nome do curta é "Once and Forever"
Fotos dos bastidores

Matéria
Em seu disfarce cineasta, Karl Lagerfeld traz o sal – e o vinagre – em Kristen Stewart.
Embora rotulada por algum por indiferença, a atriz de “Crepúsculo” e “Para Sempre Alice” é uma combustão de emoções em “Once and Forever“, o filme de 11 minutos que Lagerfeld planeja exibir em Roma no dia 1 de dezembro, em conjunto com a mais recente coleção da Chanel Métiers d’Art.

Doce em um minuto, explodindo com raiva e palavrões no próximo, Stewart interpreta uma ardente atriz que irá interpretar uma jovem Gabrielle Chanel em um filme biográfico – apenas para medir forças com praticamente todos no set. Ela reserva sua afeição somente para a legendária personagem da moda que ela interpreta – e sua costar Geraldine Chaplin, que reprisa seu papel como a designer nos seus anos de crepúsculo.

Em um desses enigmas mentais efervescentes que somente Lagerfeld pode construir, seu mais recente trabalho de direção é um filme sobre um filme que será exibido no centro da Cidade Eterna de cinema italiano, Cinecittà – e no estúdio No. 5, naturalmente.

“Ela é linda, não é?” Lagerfeld perguntou enquanto mostrava uma prévia do filme exclusivamente para o WWD no estúdio Rue Cambon da Chanel.

Nas cenas de abertura, Stewart é vista em uma blusa com gola plissada e um terno modesto de lã, quando a jovem Gabrielle Chanel era uma artista de palco aspirante, cantando música – “Ko Ko Ri Ko” e “Qui qu’a vu Coco” – que lhe rendeu o apelido que ficou para a vida toda.

Em uma entrevista, Lagerfeld notou que “a imagem final de Chanel é a mulher mais velha” e não a animada e galanteadora Coco do filme biográfico fictício – se a personagem de Stewart parasse de brigar com o produtor de cabelos brancos e do exageradamente jovem diretor francês, interpretado por Jérémie Elkaïm, que foi trazido para realizar o projeto.

“Você se considera um produtor?” Stewart grita quando dizem que ela irá ter que fazer uma conferência de imprensa sobre o filme antes de ter filmado qualquer cena. “Isso é besteira!”

Lagerfeld disse que ele concebeu o filme com Stewart na mente, convencido de que ela poderia interpretar o papel de uma diva de temperamento quente e exigente.

“Ninguém quer ficar com ela porque ela é tão desagradável,” Lagerfeld disse enquanto as cenas voavam entre Stewart, emburrada sozinha em seu camarim com um vestido Chanel vintage brilhoso de 1919, e Chaplin, bajulada por membros da equipe enquanto ela estava sentada em frente ao seu espelho de maquiagem.

“Ela é tão boa,” o designer entusiasmou-se sobre Stewart, que está regularmente na primeira fila na Chanel, e protagonista no último desfile de julho com o tema de cassino, onde as celebridades foram colocadas como centro do desfile em uma partida de roulette.

“Eu acho que ela é uma das melhores atrizes de sua geração,” Lagerfeld disse. “Ela dá a emoção certa e na intensidade certa então é muito fácil trabalhar com ela, assim como é fácil trabalhar com Geraldine.”

Ele notou que as duas atrizes são estudos rápidos, o que ele aprecia porque ele odeia a espera e a repetição que geralmente está envolvida no cinema.

“Nos palcos, você não tem um segundo take. Você tem que ser bom,” Lagerfeld disse. “Há poucos segundos takes. Eu gosto do frescor do primeiro take.”

Stewart aprendeu que os métodos de produção cinematográfica de Lagerfeld são únicos – um jeito heterodoxo, até. Ele imagina o filme todo em sua mente, diálogos inclusos, e então reparte as falas no set.

“Nós não recebemos roteiros,” Stewart maravilhou-se. “Do lado de fora, pareceu que Karl estava inventando enquanto estávamos indo. E talvez ele estivesse.”

Grande chance.
“Eu projetei o cenário, a escolha das roupas, tudo,” Lagerfeld disse atrás de seus óculos escuros, os templos cravejados com globos de jóias. “Eu gosto de improvisação, mas eu gosto de improvisação muito profissional.”

“Once and Forever” foi feito usando quatro câmeras nos estúdios Luc Besson em dois dias.

De fato, o filme possui a graxa de uma produção de Hollywood: as cenas pulam rapidamente com a agilidade ginástica da mente de Lagerfeld, e imagens coloridas retratam o set de filmagens, enquanto as em preto e branco retratam o filme biográfico.

“Eu odeio quando eles demoram horas. Eu acho que deveria ser curto e nítido. Essa é a ideia do filme,” o designer disse.

Por sua parte, Stewart achou Lagerfeld “extremamente natural,” pensativo e confiante – tudo o que recaia sobre os atores. “Seu interesse no cinema é claro e trabalhar com ele nesse modo foi inspirador,” ela disse.

Lagerfeld estava “muito lisonjeado e honrado” que Stewart “aceitou fazer algo que poderia ter sido um filme amador, apesar de que não considero meus filmes amadores,” ele disse com uma risada conhecida. “Vamos esperar pelo próximo.”

Esse é seu vigésimo curta para a Chanel desde 2008, sempre detalhando um capítulo na vida colorida e intrigante da designer. É também um comentário irônico sobre o excesso de biografias reais sobre Chanel, as mais recentes na França tendo Anna Mouglalis e Audrey Tautou.

“Eles são todos horríveis,” Lagerfeld alfinetou. “Todos os meus filmes sobre Chanel são melhores que as biografias, assim como os filmes sobre Saint Laurent. Eu poderia fazer um melhor porque eu conhecia.”

Por vez, ele acha que Stewart “se parece com a Chanel mais do que todas as outras atrizes que interpretaram ela.”

Ele também reconheceu que trabalhar dentro Chanel coloca em sua disposição recursos e informações que não são disponíveis para cineastas de fora.

Perguntei se ele consideraria fazer um filme de longa duração, Lagerfeld respondeu: “Se eu tiver bastante tempo. Eu fico entediado facilmente então se eu tiver que fazer como os outros em três meses, esqueça.”

Ele certamente não gostaria de um assunto pesado.

“Não seria um filme politicamente correto e que se passa em um subúrbio ou algo assim,” ele disse, dando um golpe disfarçado para os filmes pesados que se passam em subúrbios que geralmente dominam o Festival de Cannes – e as salas de cinema francesas. “Não sou bom para tragédia. Seria algo mais para a comédia, de qualquer jeito.”

Enquanto isso, Stewart possui outro papel no horizonte na casa de Chanel: Lagerfeld irá fotografá-la para o anúncio da campanha Paris-Rome Métiers d’Art.

Video dos bastidores


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...