19 novembro 2013

FanFic: Destinados Ao Amor - Capítulo 31

Destinados Ao Amor

Autora(o): Paula Halle
Gênero: Romance, Comédia, Fantasia, Hentai, Universo Alternativo
Censura: +18
Categorias: Saga Crepúsculo
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

**Atenção: Esta história foi classificada como imprópria 
para menores de 18 anos.**

Capítulo 31. Era isso, ele odiou.


– Crianças venham comer. – Anthony chamou da cozinha e sorrimos um para outro.
Crianças! As coisas não iam ser fáceis, Edward estava tão quebrado. Mas eu iria cuidar dele, e aos pouquinhos ele estaria inteiro de novo, ele só tinha que se esforçar mais, e eu o ajudaria.

Olhei para o calendário com uma careta. Estamos em julho. Julho. Como eu perdi isso. Como eu deixei passar isso. Eu preciso fazer algo urgentemente. Mas o que...
– Bella está tudo bem? – me virei para Anthony que entrava na sala, ele parecia um pouco perdido ao me ver olhando feio para um calendário.
– Não nada bem.
– O que houve? É Edward ou o bebê... – o interrompi com um bufo, e dei uma rápida olhada em direção as escadas, Edward tinha subido para tomar um banho, quis ajudá-lo, mas ele se recusou.
O que foi bom, por que se eu o visse nu, com a tatuagem a mostra não acabaria bem, eu grávida e ele com a perna engessada, iríamos acabar no hospital.
– Esquecemos o aniversario de Edward. – sussurrei, Anthony suspirou.


– Na verdade Edward não gosta de comemorar o aniversario.
– Por quê?
– Bem, er... Lizzie... – ele murmurava sem completar a frase e gemi.
Merda esqueci disso.
– Mas...
– Está tudo bem Bella, ele realmente não gosta.
Ele deu um sorriso triste saindo da sala.
Mas que merda!

Tínhamos que comemorar o aniversario de Edward, era triste que era o mesmo dia da morte de sua mãe, mas ainda sim era o dia em que ele nasceu e merecia uma comemoração. Agora como eu faria uma?
Ouvi um barulho no quarto e uma serie de resmungos e subi, ao chegar suspirei ao ver Edward enrolado em uma toalha retirando o plástico que envolvia sua perna.
– Deixe-me ajudá-lo.
– Não precisa Bella. – resmungou desistindo de desfazer o nó e o rasgou.
– Edward...
– O que? – ele me olhou com uma carranca e ri.
– Pare de fazer birra.
– Não estou fazendo birra!
– Está sim. E pode ir parando Sr. Masen, as vezes você vai precisar de ajuda, me deixe ajudá-lo.
– Você está grávida Bella, não deveria ter que fazer coisas para mim, eu tenho que fazer para você.
– Sabe estou grávida não inútil.
– Eu não quis...
– Eu sei, eu só quero que você pare de ser teimoso.
– Não estou sendo teimoso. Estou?
– Sim, e muito. Então pare agora mesmo, e me deixe ajudá-lo, quando eu não puder, chamaremos seu pai ok?
– Bella...
– Ok? – arquei a sobrancelha com as mãos nos quadris, ele sorriu por fim.
– Sim senhora. Venha aqui. – ele chamou e fiquei de frente para ele, Edward abraçou minha cintura encostando a testa em minha barriga.

– Vai ficar tudo bem Edward. – passei os dedos por seu cabelo úmido, ele assentiu.
– Vai. Eu só estou sendo um pouco...
–Chato? – ele riu.
– Eu ia dizer difícil.
– Isso também. – ele ergueu a cabeça para me olhar, o queixo encostado em meu estomago.
– Sempre fiz as coisas sozinho Bella, é um pouco difícil deixar as pessoas fazerem por mim.
– Eu não sou uma pessoa qualquer, sou sua mulher. Eu jurei cuidar de você, na saúde e na doença, lembra. – ele sorriu um pouco.
– Eu lembro. Mas essas palavras sempre me fizeram pensar que elas eram pro homem, e não para a mulher.
– Machista. – resmunguei, ele riu alto dessa vez.
– Eu acho que sou um pouco. Desculpe.
– Tudo bem, eu posso lidar com isso, mas lembre-se estou grávida, vai ter momentos que vou começar a chorar ou te bater. – ele suspirou abraçando um pouco mais minha cintura, sua bochecha esmagada contra mim.
– Posso lidar com isso. – murmurou repetindo minhas palavras.
– Bem, você reclamava nas cartas que queria acompanhar a gravidez, aqui estamos eu e Lizzie, curta as maravilhas da gravidez. – murmurei secamente.
– Pelo que eu li, isso é o esperado. – ele me soltou me puxando para seu colo, sua cabeça deitando em meu peito. – Me conte Bella, como você está?
– Eu?
– Sim. Você e Lizzie. Vocês estão bem não é? – sorri beijando sua testa.
– Estamos sim. Dr. Black, disse nada de exageros, ainda mais depois do susto que levei quando recebi a noticia, mas nada grave, porém mandou evitar novos sustos, não faz bem para mim ou Lizzie ficar desmaiando. – seus braços em volta de mim apertaram.

– Vou bater em Mitchell quando o ver.
– Hey ele estava mal quando ligou, provavelmente se sentindo culpado, não fique bravo com ele. – ele respirou fundo me dando mais um aperto.
– A culpa não foi dele. – passei os dedos em seu cabelo, brincando com os fios, tomando cuidado com minhas próximas palavras.
– Vocês tiveram um momento bem difícil né? – seu corpo ficou um pouco tenso, mas ele assentiu me apertando mais fracamente dessa vez.
– Sim, mesmo nos preparando para as missões, acho que nunca se está preparado para quando a ação realmente acontece. O medo, desespero, tudo vem a tona, você tenta empurrá-los para o fundo, para que possa se concentrar em ser firme, ser forte e lutar, mas eles estão ali, só esperando uma distração para vir a tona. E... e quando tudo explodiu veio tudo a tona, eu tive tanto medo Bella.
– Edward... – senti algo molhado no meu braço que estava próximo ao seu rosto, olhei para baixo engolindo em seco ao ver as lagrimas nos seus bonitos olhos quando ele ergueu a cabeça para me encarar.

– Medo de nunca mais te ver, de nunca chegar a conhecer nosso bebê, nossa Lizzie.
– Mas você está aqui agora.
– Eu sei, eu agradeço a Deus a todo momento por isso, eu não teria me importado de perder a minha perna, se esse fosse o preço para poder estar com vocês de novo.
– Não diga isso.
– Eu falo sério. Eu preferia, eu prefiro perder uma perna, do que perder a chance de estar com você, de amar você, de ver nossa menina crescer.
– Mas você não perdeu, você vai melhorar e andar em breve.
– Sim, eu vou – vou me esforçar Bella, para melhorar e ficar bom para vocês.
– Não Edward, para você mesmo. Por isso que tem que se esforçar, eu e Lizzie vamos amá-lo independentemente do que for, se você vai mancar, se vai ficar completamente recuperado, não importa o que, contanto que você esteja conosco.
– Eu não sei o que faria sem você Bella. – ele tocou meu rosto com carinho, seus olhos transmitindo tanto amor, que fez meu coração explodir de tanto amor por esse homem.
– Felizmente nunca vamos descobrir, pois estarei sempre aqui.

Edward assentiu, ele deu um alto bocejo, sorri saindo do seu colo, fui até a mala que Anthony tinha deixado no chão, e a abri pegando uma cueca boxer para Edward, o ajudei a vesti-la, sorrindo quando ele me deixou ajudá-lo sem reclamar.
Ele se deitou na cama e tirei minhas roupas, ele ficou encarando meu corpo, seus olhos vidrados na minha barriga, rindo peguei uma camiseta dele e a vesti voltando para a cama e deitando ao seu lado.
– Por que as roupas?
– Por que precisamos dormir, e se ficarmos nus, eu vou te atacar.
– Eu não me importaria. – ri me aconchegando contra ele.
– Esse é o problema. Agora durma, teremos um dia cheio amanhã.
– Teremos?
– Sim.
– E o que faremos?
– Você vai me acompanhar na minha consulta com o dr. Black. – olhos de Edward brilharam.
– Sério?
– Sim, eu pedi para adiantar a minha ida, para que você pudesse ver Lizzie no ultrassom. – seu sorriso poderia cegar um de tão grande.
– Isso é maravilhoso Bella.
– Sabia que gostaria. E depois tenho uma surpresa para você.
– Surpresa?
– Sim.
– E o que é?
– Se eu contar deixa de ser surpresa seu bobo. – ele riu me dando um beijo estalado.
– Ok, ok, então vamos dormir para amanhã chegar rápido.
Ele me puxou contra seu corpo bocejando novamente, suspirei dando um beijo em seu peito nu, e uma lambida em sua tatuagem, Edward resmungou, mas eu só podia sorrir, eu senti falta dela ué.
– Boa noite minhas meninas. – ele murmurou e sorri mais.
– Boa noite amor.

[...]

Acordei com o lamurio alto, parecia um choro dolorido que fez meu coração se apertar e minha pele arrepiar, o quarto estava escuro ainda e não consegui entender o que estava acontecendo até me virar para o lado, para ver que o choro vinha de Edward.
– Edward? – ele estremeceu, seu corpo coberto de suor, e o ruído sofrido saindo de seus lábios, os olhos fechados com tanta força, parecia doer.
– Merda. – me apressei em levantar ficando sobre ele, não foi fácil com a barriga no caminho, mas consegui me ajeitar sobre seu corpo, agarrando seu rosto chamei seu nome algumas vezes, seus olhos se abriram de repente e ele me encarou ofegante.
– Be – Bella?
– Estou aqui. – ele olhou em volta, se corpo relaxando aos poucos ao reconhecer o quarto.
– Bella. – repetiu lentamente e sorri me inclinando para ele para beijá-lo.

Ele suspirou contra meus lábios abraçando meu corpo, gemi quando sua língua invadiu minha boca, o beijo calmo sendo substituído por um desesperado, como se ele precisasse do meu beijo para respirar.
Agarrei seu cabelo o beijando de volta, gemendo contra sua boca me esfregando nele ansiando por mais do que só seus beijos, seu corpo parecia concordar com o meu, pois sua ereção queimava em mim, mesmo através da cueca.

– Bella, por favor... – gemeu afastando a boca da minha, sua respiração vindo em arquejos, seus lábios esmagaram contra minha garganta beliscando a pele ali.
– Sim... sim... – gemi ainda me esfregando nele, indo a loucura com a sua boca em mim, ele desceu seus beijos para meus seios, chupando um mamilo não se importando com a camiseta no caminho.
Grunhindo me sentei sobre ele arrancando a camiseta, eu imagino que não devia ser uma imagem muito sexy, eu sentada sobre ele com a minha barrigona na frente, mas Edward não pareceu se importar muito, pois suas mãos já iam para meus seios beliscando os mamilos.
– Oh... sim... – gritei me esfregando mais nele, minha terra prometida já pulsava querendo que ele entrasse em mim.
– Bella, quero você.
– Me tome. – ele rosnou, com um pouco de dificuldade empurrando a cueca para baixo, assim que ela estava fora do caminho ele estava em mim, me preenchendo por completo.
Gritamos com a sensação de estarmos unidos, suas mãos largaram meus seios para ir para minha bunda, ele a agarrou com força me fazendo subir e descer sobre ele, arfei espalmando as mãos em seu peito, enquanto o sentia entrar em mim profundamente.

Nossos corpos dançando, se movendo em total sincronia conforme ele empurrava dentro de mim. Entrando e saindo, me fazendo queimar por ele, meu corpo tremia, assim como o dele, ambos suávamos e gemíamos cada vez mais alto.
Suas investidas começaram a ficar frenéticas, ele devia estar cada vez mais perto, eu também estava, já podia sentir o formigamento subindo pelo meu corpo, assim como o prazer da construção do orgasmo. Edward empurrou com força dentro de mim mais duas vezes e me desmanchei em volta dele, vindo com abandono.  Ele gemeu investindo mais deixando seu orgasmo vir dessa vez, o senti derramando dentro de mim e cai para o lado ofegante, ele respirava com dificuldade ao meu lado, olhei para ele com um sorriso, ele se virou para mim sorrindo também.

– Desculpe.
– Pelo que?
– Eu fui muito agitado.
– Eu gostei. – ele se inclinou para me dar um beijo, esse foi carinhoso, nada haver com o desesperado que me deu antes, quando se afastou, levei a mão a sua testa empurrando seu cabelo úmido de suor da frente.
– Está tudo bem?
– Sim, acho que foi um pesadelo.
– Com o que?
– O – o acidente. – murmurou evitando meus olhos, e o puxei para meus braços, ele deitou a cabeça entre meus seios.
– Quer me contar?
–Não há nada para contar realmente. Era só um sonho ruim, uma lembrança ruim, eu estou em casa agora.
Assenti mesmo que ele não pudesse me ver, ele não disse nada, fiquei brincando com seu cabelo, até ele dormir, inconscientemente, ele me abraçou, seu braço protetoramente sobre minha barriga e sua cabeça ainda em meus seios.

Meu pobre Edward, esse acidente deve ter sido bem feio, ele não estava assim nas suas férias, nada o havia deixado tão traumatizado para ele ter pesadelos, mas desse vez, ele estava muito traumatizado, machucado, aos pedaços. Só esperava que ele me contasse, pois eu nunca poderia ajudá-lo se ele não compartilhasse comigo seus medos.
Eu devia ter adormecido, por que quando abri os olhos luz enchia todo o quarto, bocejando fiz um cafuné no cabelo de Edward, ele ainda dormia sobre meus seios, isso me fez sorrir.
– Hmmm... – murmurei baixinho, e o senti se mover, ele piscou algumas vezes e quando me olhou com um sorriso preguiçoso.
– Bom dia.
– Bom dia. – ele sorriu mais dando um beijo demorado em meu seio se levantando em seguida.
– Que horas é a consulta? – olhei no relógio ao lado da cama.
– Em um par de horas. – ele sorriu abertamente.
– Que tal um banho. – mordi o lábio encarando sua tatuagem, Edward riu. – Venha, eu deixo você lavar minha tatuagem.
– Sim?
– Sim, sua tarada. – eu até podia negar, mas eu queria mesmo, então me levantei rapidamente o seguindo para o banheiro.
Eu sei que disse que não seria boa ideia, eu grávida e ele machucado, mas era um sacrifício que eu iria correr, afinal foi por um bem maior, aquela tatuagem enorme, precisava ser lavada e Edward nunca poderia fazer sozinho.

Era meu dever de esposa.

[...]

Edward estava batendo nervosamente seu pé ao meu lado enquanto esperávamos ser atendidos, ri colocando a mão em sua coxa, ele parou de bater o pé, me dando um pequeno sorriso.
– Desculpe. – dei um beijinho nele, e voltei para minha revista.
Ele estava nervoso desde que saímos de casa, ficou meia hora revirando a mala querendo escolher uma boa roupa para hoje, será que ele achava que o bebê podia ver ele pelo monitor?
Bem sua demora em se arrumar, me deu tempo para ligar para Rosie, e planejar uma mini urgente festa de aniversario. Ela compraria um bolo, chamaria nossos amigos, e eles fariam uma decoração simples. Só para o dia dele não passar em branco.

– Isabella Masen? – a enfermeira chamou, me tirando dos meus pensamentos, Edward saltou do seu lugar, quase caindo e o ajudei lhe entregando as muletas, ele me deu um sorriso tímido.
Dei um beijo em sua bochecha e o guiei para a sala do dr. Black, ele sorriu ao me ver, mas o sorriso morreu um pouco quando viu Edward atrás de mim. Estranho.
– Bella, como você está?
– Bem, esse é meu marido Edward Masen. – Edward olhou o medico cautelosamente, estendendo a mão em seguida.
– Olá doutor.
– Sr. Masen. Vejo que melhorou do acidente.
– É, melhorei.
– Isso é bom.
– É.
Ok, conversa estranha.
– Então, podemos começar? – os dois me olharam sorrindo amplamente.
– Claro Bella, você sabe onde se trocar.
– Ok. – dei um beijo rápido em Edward, e segui para a sala adjacente onde sempre vestia a camisola, que já estava lá esperando por mim.

Quando voltei para a sala, Edward fazia algumas perguntas sobre mim, dr. Black respondia a tudo formalmente, parecendo mais sério que o normal.
Pigarreei para chamar a atenção deles, ambos me olharam e dei um pequeno sorriso, dizendo que estava pronta, o doutor me ajudou na maca, e ligando as coisas, abriu a camisola na frente expondo minha barriga, passou o gel, e em seguida colocou o sensor imediatamente a tela acendeu mostrando nossa pequena Lizzie, e o som do seu coração encheu a sala.
Dr. Black, mostrou as mãozinhas, os pezinhos, a cabeça e tudo o que tinha para mostrar, Edward se aproximou de mim agarrando a minha mão com força.
– Olha a nossa menina. – sussurrou só para mim e ri.
– Ela é não é perfeita?
– Ela é maravilhosa, bonita como você. – olhei para ele com uma sobrancelha arqueada e ele riu. – Ela vai ser.
Rindo beijei seus lábios, ele afagou minha bochecha, quando se afastou colou a testa na minha.
– Obrigada.
– Você não tem que agradecer por isso.
– Eu sei, ainda sim, obrigada por me dar nossa menina. – sussurrou me dando outro beijo, ouvimos um pigarro, e rindo nos afastamos olhando para o Dr. Black, que parecia estar com dor.
Talvez ele estivesse doente.
– Bem parece que acabamos aqui, pode ir se trocar Bella. – murmurou rapidamente desligando tudo, assenti indo para a sala ao lado e me trocando.
O Doutor fez as recomendações de sempre, mandou eu ligar caso tivesse algum susto, e nos despedimos. Já fora do consultório, ficamos esperando passar um taxi, havia dado uma ligada para Rosie, para avisar que já estávamos chegando.

– Não gostei do seu medico. – Edward murmurou quando entramos em um taxi.
– Por que?
– Ele... – ele respirou fundo. – Eu vi como ele olhou para você.
– Como?
– Ele te quer.
– Claro que não Edward.
– Quer sim. Um homem sabe dessas coisas Bella.
– Se ele me quer, por que ele nunca disse nada?
– Por que ele não é idiota, você é casada... – ele parou de falar e riu.
– O que foi?
– Agora faz sentido o por que de Rosalie ficar repedindo tanto nas fitas que você é casada. – bufei.
– Rosie é exagerada.
– Ela é esperta, me lembre de comprar algo para ela.
Rolei os olhos, que absurdo, já não bastava Rosie com ideias loucas sobre o Dr. Black, agora Edward também, ninguém merece.

Quando o taxi parou em frente a casa, tudo sobre o doutor estava esquecido, eu estava animada com a festinha que fizemos para Edward. Anthony estava um pouco relutante com a ideia, mas acabou aceitando e fez vários docinhos de acordo com Rosie, meu estomago roncou com a expectativa.
Edward pagou o motorista e riu.
– Lizzie está com fome?
– Não Bella está com fome, a Lizzie ainda não come nada. – resmunguei torcendo o nariz, ele riu beijando meu nariz.
– Desculpe, vou reformular. Minhas meninas estão com fome?
– Sim famintas.
– Então vamos alimentá-las. – ele me puxou para a casa, ao abrir a porta, vários balões e confetes foram jogados na nossa cara ao mesmo tempo que todos gritaram.

– SURPRESA!!!

Edward encarou a cena com a boca aberta, olhando para mim e em seguida para a entrada, segui seu olhar e arregalei os olhos ao ver a faixa.

FELIZ ANIVERSARIO EDWARD!!

Como eles fizeram isso tão rápido.
– Mas... hmmm, não é meu aniversario. Ou é? – Edward me olhou confuso e ri.
– É festa atrasada. – dei um sorriso e ele voltou a encarar a faixa, e as pessoas o olhando com expectativa, quando me encarou de novo ele tinha um olhar estranho.
Merda!

Era isso, ele odiou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...