07 fevereiro 2016

Artigo: Depois do papel em Life, Robert Pattinson tem realmente que ser reconhecido


James Dean tornou-se um ícone do cinema quase por acidente. Seu talento era inegável e ele abraçou desafios, mas ele era imprevisível, espontâneo e tinha uma tendência a afastar-se de suas responsabilidades. Life de Anton Corbijn - baseado em fatos reais - tenta compreender o homem por trás do mito, olhando para sua vida antes dele assumir o papel que passou a defini-lo, Rebelde Sem Causa. Dean agora será sempre sinônimo daquele papel, mas o filme de Corbijn faz você questionar se o ator era realmente um "rebelde" ou talvez mal entendido.

Passado em 1955, a história centra-se na amizade inquieta de Dean com o fotógrafo Dennis Stock (Robert Pattison) que reconheceu o talento do ator e potencial muito antes do resto da mídia. Se você é um fã das imagens icônicas de Dean daquela época, deve saber que elas foram levadas por Stock para a revista Life. Ele passou a ter uma carreira de alto nível antes de sua morte em 2010. Esta é a história por trás das fotografias e é um conto que é muito mais interessante do que deveria ser.

Dane DeHaan é excepcional como James Dean em um de seus primeiros papéis principais. Ele traz calor e carisma ao personagem cuja forma única sobre ele trouxe tanto a sua ascensão e queda. Algumas das melhores cenas do filme são entre Dean com Jack Warner (Ben Kingsley), da Warner Bros, que não podia suportar o ator por causa de suas atitudes, mas não conseguiu resistir ao seu magnetismo como um homem sedutor. Mas realmente o filme é sobre a dinâmica entre Dean e Stock.

Os dois estão em extremos opostos, com Dean sobrecarregado pela noção de fama e celebridade impostas a ele e Stock tenso querendo aproveitar a fama. Mas os dois homens estão perseguindo seus sonhos e isso é o que os mantém unidos. Esqueça Pattinson na saga Crepúsculo. Após escolher o drama distópico, The Rover, e agora este, o ator tem realmente que ser reconhecido.

Uma história verdadeira, Life também pode ser considerado como seguimento do filme de estreia de Corbijn, Control, sobre o trágico cantor da banda Joy Division, Ian Curtis. Ambos os filmes fazem você pensar e, assim como as fotografias de Stock, que falam de um momento no tempo. 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...